Nova Moriá FM

 

O presidente do Hospital Beneficente Elmira Silvério Barbosa, de Sidrolândia, Jacob Breure, afirmou em vídeo veiculado nas redes sociais na manhã de quarta-feira (9) que em nenhum momento impediu ou proibiu a prefeita do município Vanda Camilo (PP) de entrar na instituição hospitalar.

Na verdade, segundo ele, o que houve foi um telefonema da prefeita questionando a contratação de uma colaboradora pela atual diretoria, fato que irritou profundamente a chefe do Poder Executivo Municipal.

Sobre as notícias veiculadas com informações dadas pela prefeita, Jacob Breure disse que houve total distorção dos fatos que aconteceram. Segundo ele, a prefeito ligou lhe perguntando sobre o porquê da troca da diretoria executiva do hospital e querendo saber quem foi nomeado para o cargo. Jacob informou que a troca ocorrera pela necessidade de trocar e que havia nomeado a senhora Roseli Corrêa para o cargo de confiança.

“Aí ela ficou brava. Falou um monte de coisas pra mim. Disse que eu não podia ter feito isso” relatou, ao que presidente da instituição mantenedora do hospital retrucou dizendo: “Prefeita, acho que alguma coisa está errada. Eu nunca interferi na nomeação de funcionários da Prefeitura e nunca questionei as decisões da senhora”.

Na opinião de Jacob e demais membros da Diretoria da instituição, a prefeita não tem direito de interferir nas decisões internas tomadas por seus membros. “Aqui existe uma Diretoria, eleita em processo democrática e não há porque haver interferência da Prefeitura em nossas decisões” disse.

Ao ouvir essa verdade do presidente, a prefeita declarou que estava cortando relações com a direção do Hospital Beneficente Elmira Silvério Barbosa. “Aí eu questionei a prefeita sobre que tipo de relação havia entre o Hospital e a Prefeitura se a instituição está passando a pão e água”. Ele relatou ainda que os repasses estão todos atrasados e até a equipe médica anunciada para atender no hospital nunca chegou.

Mais adiante ele lembra que do dinheiro repassado pelo Governo do Estado foi repassado ao Hospital apenas uma parcela de R$ 15 mil no mês de setembro do ano passado. “Então, em setembro, outubro, novembro, dezembro, janeiro, fevereiro e março não foram repassados recursos alguns e estamos aí passando a pão e água. Estamos vivendo com aquela graminha miúda de tempos de estiagem. Então somos nós que perguntamos: por que essa perseguição contra o Hospital? Que interesse a senhora tem com essa perseguição contra o Hospital?”.

Jacob reafirmou taxativamente que não proibiu a prefeita de entrar no hospital. “Eu fiquei sabendo dessa inverdade dois dias depois do ocorrido porque fui pra fazenda e lá não pega telefone. E aí foi uma chuva de telefonemas de rádios, sites perguntando o que aconteceu. Só pude reafirmar que não maltratei a prefeita, não a proibi de entrar no Hospital. Eu a recebo de braços abertos lá na porta do hospital. Faço questão que ela venha tomar um café conosco. Não existiu nada disso aí que ela falou” finalizou Jacob Breure.

 

março 11, 2022

Written by:

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X